quinta-feira, 7 de abril de 2011

São José do Norte perdeu um ícone da cultura (homenagem do Jornal Agora)


Como toda criança, aos 5 anos, José Americo Roig, começou a desenhar carrinhos, casinhas, bichinhos etc. Aos 15 anos começou a pintar letreiros em casas de comércio, em canoas de pescadores e cartazes para o cinema, no qual trabalhou por mais de 10 anos como operador. Foi, também, funcionário público municipal, fazendo decorações de rua no Carnaval e em outras festividades, bem como ilustrava provas escolares em sua terra natal. No ano de 1961 expôs no Salão Paroquial de São José do Norte, convidado pelo padre Onofre Sciffo. Mais tarde transferiu-se para Porto Alegre, onde trabalhou como desenhista publicitário da Mesbla S/A, durante seis anos.

Expôs trabalhos na Assembleia Legislativa do Estado; no Clube Oriente em Campo Bom-RS; na Terceira e Quarta arte, em Torres-RS; em Piratini e em Rio Grande (Furg), a convite do Diretório Acadêmico de Biblioteconomia; no Centro Municipal de Cultura e na Caixa Economica Federal no Rio Grande e em São José do Norte.

Em Santa Catarina, mostrou seu trabalho em Criciuma, na Lagoa da Conceição, em Itajai, em Florianopolis, onde obteve "Menção Especial", no Primeiro Salão de Artes Imperial Marinheiro, no 5º Distrito Naval, no Rio Grande. Diversas capitais do PaÍs, na Argentina, na cidade de Agueda (Portugal) e em Montreal, no Canadá.

Nasceu no dia 20 de julho de 1934, filho de Américo Segundo Roig e de Ana Rodrigues de Sá Roig. Criou-se em São José do Norte, correndo alegre entre as brancas e buliçosas dunas, e tendo o passado sempre presente através da arquitetura colonial e da pesca artesanal. Daí sua inspiração e o apego às coisas nortenses; tal qual Delfina da Cunha, a maior poetisa cega do Rio Grande do Sul - segundo alguns, parente distante do pintor, pelo lado materno.
(Blog Olhar Virtual - acervo digital)

Zé Meco faleceu na última terça-feira, quando encontrava -se internado em hospital no Rio Grande. Deixa a prantear-lhe a esposa Hildete Klaes Roig, os filhos Marco Antonio, José Antonio, Sergio e Virginia, além de netos, demais parentes e um grande número de amigos que grangeou ao longo de sua vida.

(Homenagem do Agora, a pintor autodidata, que se constituiu em um dos maiores divulgadores de São José do Norte além fronteiras)

Observação: Texto acima, publicado na edição de 03/04/2011, do Jornal Agora, de Rio Grande - RS - Brasil.

Fonte: http://www.jornalagora.com.br/site/content/noticias/detalhe.php?e=9&n=9763

Observação 2: Imagem acima, fragmento de quadro de José Américo Roig, o Zeméco, retratando a plantação de cebola em sua terra natal.

Nenhum comentário:

Postar um comentário