domingo, 13 de maio de 2007

Agradecimento de Zeméco

A pedido de Zeméco, o blogue Olhar Virtual expressa seu agradecimento ao arquiteto Oscar Décio Carneiro, Conselheiro estadual do IAB e presidente do Conselho Municipal do Patrimônio Histórico da cidade do Rio Grande, pela menção a vida e obra de Zeméco, em artigo publicado na edição de 11/05/2007, do Jornal Agora, de Rio Grande-RS-Brasil, sob o título de "Educação patrimonial: São José do Norte cultural", em que destacamos a referência ao artista plástico nortense: "Agora São José do Norte dá outro passo importante na consolidação de sua vocação cultural ao discutir o tombamento das obras de Zeméco. Como é sabido, Zeméco, ou José Américo Roig, nasceu em São José do Norte no ano de 1934 e já com a tenra idade de 5 anos começou a desenhar. Autodidata tornou-se um grande pintor e um de seus temas prediletos é a arquitetura colonial de sua cidade natal, que retrata com maestria. Com sua sensibilidade artística, ele perpetuou em suas telas muitos prédios de grande beleza. Alguns dentres os prédios retratados, contemporâneos seus não souberam valorizar e deixaram cair ou promoveram as demolições ou até descaracterizaram a fachada principal como é o caso do sobrado dos Gibbon, em plena rua General Osório, a rua principal, a mesma que foi cenário em 16 de julho de 1840 da Batalha de São José do Norte e merece também por isso todo o cuidado com sua paisagem urbana".
A íntegra do artigo pode ser acessada abaixo, através do link (atalho) para o jornal:
Observação: A imagem acima retrata a Casa Ferrari, um dos tantos casarios históricos de São José do Norte, que só existem na memória visual de Zeméco, e em seus quadros.

Casa do Zeméco: "De volta pro futuro"

Foto 1
Foto 2

Eis algumas fotos recentes da casa do Zeméco. Foto 1, visão da fachada, com as esculturas feitas por Zeméco e as flores plantadas por dona Hildette. Comparem com as fotos da casa original. Foto 2, entrada do terreno, com Júlia (neta do pintor) abrindo o portão. Na janela à esquerda encontra-se o estúdio de artes de Zeméco, onde ele produz a maioria de suas obras.

Zeméco no fundo do terreno da casa da praia

Aqui, outro flagrante do artista plástico José Américo Roig, o Zeméco, nos fundos do terreno de sua casa, no início dos anos 1980, onde se pode ver ainda os tonéis de óleo da antiga usina que alimentara o balneário, movida a diesel, até a ligação elétrica com a sede do município. Zeméco, em pleno areal, tentava regar com uma mangueira algumas mudas de grama que teimavam em não se fixar no terreno. Hoje, quem visita a casa do pintor nortense tem uma visão totalmente diferente, tanto da casa como do terreno, todo gramado e arborizado pela família, e ainda decorado com pequenas esculturas (saci, sapo, gaivota, sereia, etc) feitas com argamassa pelo dono da moradia.

A Casa do Zeméco: "Em algum lugar do passado"

Eis acima, fotos do final dos anos 70/início dos anos 1980, da casa onde o artista plástico Zeméco foi morar na praia do Mar Grosso, em São José do Norte - RS - Brasil, quando ali ainda era o prédio da antiga usina a óleo diesel (desativada), que alimentara o balneário, até que a ligação por energia elétrica com a sede do município fosse concluída. Na postagem acima desta será publicada a foto recente da casa, que com o passar do tempo foi construída pelo próprio pintor e família. Há alguns anos atrás foi doado o terreno pela Câmara de Vereadores ao artista, em prol de seus serviços de divulgação e valorização do município, em âmbito nacional e internacional.
No detalhe da foto à direita, dona Hildette, esposa do pintor.